terça-feira, julho 29, 2014
Extra! Extra!
O Discurso do Rei – Crítica – 12 Indicações ao Oscar

O Discurso do Rei – Crítica – 12 Indicações ao Oscar

George (Colin Firth) é gago, o que não é nada bom, já que, como membro da realeza britânica, precisa fazer diversos discursos. Após passar por vários médicos, sem resultados positivos e já sem esperança, ele é apresentado por sua esposa Elizabeth(Helena Bonham Carter) ao terapeuta de fala Lionel Logue(Geoffrey Rush). Lionel, com métodos pouco convencionais, começa um árduo trabalho com George, misturando exercícios vocais a acompanhamento piscicológico, dando auto-confiança a George quando, por conta da abdicação de seu irmão David(Guy Pearce) ao trono, ele acaba por se tornar o rei George VI, e tem como maior desafio fazer em tempo real e para todo o mundo, o primeiro discurso para a 2º Guerra Mundial.

O Discurso do Rei está concorrendo a 12 Oscars, e não é à toa. Geralmente a Academia gosta de filmes com essa temática, ambientados em outra época. Porém, neste caso, creio que entrará também no gosto do grande público.

O Filme é ótimo e o roteiro, bem escrito, coloca dois grandes atores duelando com diálogos inteligentíssimos e jogos de palavras nunca tão bem usados no cinema. Colin Firth está incrível como George, com uma gagueira diferente e própria para cada momento: Com a família, Lionel, seu irmão, o público, e variando também com seu humor no momento. Oscar pra ele!

Helena Bonham Carter está ótima como sua esposa e, vale adicionar, bem diferente daqueles papéis que todos estão acostumados a ver em filmes como Harry Potter e Alice no País das Maravilhas. Ela está no páreo para ganhar como atriz coadjuvante, mas creio que não será a vez dela, ainda.

Geoffrey Rush está perfeito no papel do interessantíssimo Lionel Logue, o terapeuta de fala com métodos não tradicionais, pelo menos para a Realeza, que está acostumada a ouvir sempre um “Vossa Majestade” antes de qualquer coisa. Lionel trata todos da mesma maneira, chamando pelo nome, e gosta do mesmo tratamento. E Geoffrey personifica essas atitudes de maneira excepcional! É o forte candidato ao Oscar de ator coadjuvante e vai bater de frente com Christian Bale(de O Vencedor).

Entre os candidatos a melhor direção, Tom Hooper é o desconhecido da noite. Diretor de pouquíssimos filmes, trabalhou mais com seriados para a BBC e HBO. Porém, mesmo sendo seu primeiro filme de destaque, já é um dos favoritos.

Com um orçamento de apenas 15 milhões, “O Discurso do Rei” é belo, cativante, emocionante e divertido. Todos nós, a cada palavra de George VI, suamos frio, torcemos, esperando pelo seu sucesso e sentindo vergonha a cada fracasso, como se fossemos nós mesmos ali no palanque falando para milhões de pessoas. Esta é uma jornada a ser assistida e compartilhada, e é emocionante ver a força do filme dentro da sala de cinema. Divirtam-se!

Indicações
Melhor Filme
Melhor Diretor – Tom Hooper
Melhor Ator – Colin Firth
Melhor Ator Coadjuvante – Geoffrey Rush
Melhor Atriz Coadjuvante – Helena Bonham Carter
Melhor Roteiro Original
Melhor Direção de Arte
Melhor Fotografia
Melhor Figurino
Melhor Trilha Sonora
Melhor Edição de Som
Melhor Edição

Curiosidade: Inicialmente o papel de George VI foi oferecido a Paul Bettany, que o recusou, pois queria passar mais tempo com a família. Posteriormente, o ator lamentou publicamente sua decisão.

PlayPlay

Sobre Luigi show

Diego Oliveira é Escritor, roteirista, fã de Legião Urbana e amante de cinema, já foi garçom, pizzaiolo, fotógrafo e animador de festas. Além de jogar RPG, World of Warcraft e muito Super Nintendo, atualmente apresenta o programa online "Na cozinha com Luigi" e tem como objetivo passar todo o conhecimento Nerd para sua filha(e pequena padawan) Sophia Lis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top